Retalhos Amigos


Mudança de endereço

Sempre gostei de escrever. Qualquer coisa. E, quando conheci Ariane, tinha o costume de enviar-lhe, por e-mail, alguns poemas.

Ela me sugeriu, então, postá-los no seu blog destinado aos amigos.

Como ela mesma já contou aqui, depois de relutar, resolvi publicá-los no Retalhos Amigos, ao lado dos demais.

Entretanto, pela regularidade com que eu enviava textos, enquanto as outras pessoas só o faziam esporadicamente, o blog tornou-se quase exclusivo para mim, o que acabou acarretando muitas confusões.

Agora, interagindo com tantas pessoas, com tantas amizades preciosas e com minha vocação de escrever intacta, resolvi, com o apoio da Ariane, criar meu próprio espaço.

A partir de então, passo a postar no Pretensos Colóquios, um despretensioso blog, de Dora Vilela.

Agradeço essa resolução sobretudo à Ariane, que continuamente incentiva meus projetos e a vocês todos que sempre me prestigiaram.

Dora Vilela

 

http://pretensoscoloquios.zip.net



 Escrito por Dora às 16h09
[   ] [ envie esta mensagem ]




EGOÍSMO

Seja este verso só meu,

inconfundível, mesquinho,

rude, de pobre lavra,

inútil e desconsertado,

porém meu e só meu,

revirando o avesso,

torcido na pele,

suado de sangue e suor,

um verso tão livre

de tão inevitável,

mas, meu, e ainda meu,

e do fundo da mina

do escuro insondável.

Dora Vilela



 Escrito por Dora às 10h52
[   ] [ envie esta mensagem ]




INCOMUNICABILIDADE

Meu grito não ouvem,

meu sussurro o vento leva,

minha eloqüência é muda,

minha paixão é inócua.

 

Meus gestos são insensíveis,

minhas lágrimas desapercebidas,

minha profecia é vã,

minha tristeza, escarnecida.

 

Se falo, minha palavra é tola,

tão tola quanto a intenção

de a falar, sabendo-a inútil.

Inútil é pensar e criar.

 

O que sai de mim está perdido,

o que vem prá mim se consome,

o que percebo, não uso,

e do que não uso, careço.

 

Meu sorriso me antecede

na ironia que respiro,

minha voz é só a ilusão

das sombras do que pressinto.

Dora Vilela



 Escrito por Dora às 08h49
[   ] [ envie esta mensagem ]




Poema singelo de Natal

Natal para o mundo,
para cada consciência,
caindo em filigranas,
douradas, prateadas,
num só laço inteiro,
embrulhando o planeta,
num mimo agradável,
em papel de oferenda.
Natal que se oferece
em prece e perdão,
não importa o motivo,
é sempre a ocasião.
Que nasça o Menino,
se encarne, nos salve,
o preço do enlace
é só a união.
Mãos universais,
entrelaçadas, trançadas,
formando um cordão,
que ultrapasse os limites
do seu e o do irmão.
Natal, solene e leve,
sopre sua brisa
em cada um de nós,
que a graça,
mistério escondido,
quem sabe, ainda renasça,
em algum de nós escolhido.
Dora Vilela


 Escrito por Dora às 07h40
[   ] [ envie esta mensagem ]




COMBATE DESIGUAL

Na praia deserta, propícia,

cenário ideal de areia enganosa,

afundo meus pés, em colóquio

com o mar de sempre.

 

Ele vem e provoca,

se retrai, se enovela,

num falso rodeio

de duelo já pronto.

 

Posso fugir, posso ficar,

suas ondas se riem

da minha vertigem

que teima em voltar.

 

Confirma sua força

num ruído de estrondo,

confunde minha fala

que se perde, se cala.

 

Ele é parte de mim,

eu sou feita dele,

ele tem sua forma

de me transtornar.

 

Mas, posso contê-lo,

apagá-lo, bebê-lo,

com todo meu empenho...

Pensamento humano, mortal...

Dora Vilela



 Escrito por Dora às 11h23
[   ] [ envie esta mensagem ]




SONHO DE PODER

Ah! ser dona do mundo

e mãe de todos os homens,

acalentá-los num único abraço,

transformar-me, de inesperado,

em coadjuvante divina,

soprar-lhes a vida e a graça,

viajando ao início do caos,

de um enorme e fecundo ventre

doá-los à luz novamente,

ser mãe dos homens todos,

junto a eles, irmanada,

ser-lhes o ser e o tempo,

possuí-los em mim,

carregá-los nos braços,

sem cruz e sem morto passado,

só a esperança à frente

a guiar-nos os passos,

só a clara e límpida madrugada

de um ceú lavado, inocente,

que minhas mãos ansiosas

irão desenrolar

feito larga esteira

ante esta vasta orfandade

que então acolherei

em fértil maternidade!

Dora Vilela



 Escrito por Dora às 17h33
[   ] [ envie esta mensagem ]




AMBIÇÃO

queria poema duro,
másculo e forte,
de apontar com o dedo,
em riste,
de mostrar o ouro
prá quem não vê...
queria palavra convexa
abrangendo coisa,
afastando finuras,
iluminuras, fechaduras...
queria verbo de envergadura,
chão de terra batida,
pisado de pés nus,
encontro de naturezas...
queria, como queria!
não ter pieguice de frases,
não ter medo do fundo dos rios
e ter coragem de profeta...
queria também
só chorar prá dentro,
ante a verdade do vento,
ante a dureza da pedra,
na verdura do mato...
queria, mas não atino
com esse talento de força,
esse poder dito viril
e exibo só
poucas frágeis linhas
de vocábulos descarnados
adjetivados,
sem a substância
da veracidade
da rude vida!
Dora Vilela


 Escrito por Dora às 10h14
[   ] [ envie esta mensagem ]




DESVANESCENTE

fora do tempo,

espero a hora,

o luar lá fora,

a areia prateada,

o coração nas mãos,

a espreita nos gestos,

o gosto na boca,

os sentidos despertos,

a brasa no corpo...

 

a hora se gasta,

a lua se esconde

nas nuvens dispersas

a areia escurece,

o coração se divide

os gestos se crispam,

a boca se amarga,

os laços se rompem,

os sentidos se esgotam...

 

a hora se despe,

a lua adormece,

o corpo amortece,

as mãos envelhecem,

a boca se torce,

o viver se entorpece...

Dora Vilela



 Escrito por Dora às 09h02
[   ] [ envie esta mensagem ]




NOMEAÇÃO

Peço desculpas sinceras

por não compreender

aqueles que me sinalizam

que me agitam os corações

feito alvos lenços,

que me puxam pelo braço,

que me chamam pelo nome.

Estonteada, decifro mal esses apelos.

Quero entender o mendigo de chapéu na mão,

é só uma esmola que deseja?

é só uma história que me conta?

é só um maltrapilho faminto?

Necessito dar nome ao sobressalto que me causa.

Tenho que desvendar a sensação intensa

de culpa, de dúvida, de impasse,

que me transmite no olhar.

Preciso nomear cada instantâneo

dos indecifráveis chamados.

E os subterfúgios, e as lacunas,

e os não-ditos?

E o roteiro deste estranho itinerário

que afinal não escolhi?

Que fazer do descompasso,

da inadequação,

do desencaixe?

Reitero minhas desculpas,

e continuo calada.



 Escrito por Dora às 17h19
[   ] [ envie esta mensagem ]




GATO

Escolho o momento,

arranjo o close,

espremo o olho

na objetiva da minha máquina.

 

Enquadro o gato, na minha soleira,

o trago prá perto, bem sorrateira,

miro, remiro, acerto,

aperto o botão.

 

Quero fixá-lo, gravá-lo,

olhá-lo nos olhos,

a este gato, felino dengoso,

ímã terrível da minha câmera.

 

Tento captá-lo, apreendê-lo,

penetrar seu segredo,

desvendar seu mistério

de existir sem medo.

 

Ele vive com força,

sete vidas, talvez,

sem luta, sem drama.

 

Só vive, revive,

me atiça esta chama

de ser gato também

(sendo eu mesma e minha dona).

Dora Vilela



 Escrito por Dora às 19h05
[   ] [ envie esta mensagem ]




HERDEIROS

A meus filhos
farei testamento,
transmitindo, além do legado
em sangue e falsa liberdade,
um medo imenso e ancestral
que de meus pais recebi.
Não é oferta honesta,
nem laborada em franca opção,
nem de punho próprio lavrada.
Mas, é herança que não se desdenha
do impossível resgate que tem.
Meu medo os percorrerá
pelas veias,
sob a pele,
arquétipo indesejável,
que me susteve e os sustentará.
Tive medo de viver,
de acordar
de ver no espelho
a verdade revelada.
Passei medo ao navegar
entre vagalhões e brisas.
Tive medo do medo
e o susto das revelações.
Ancorei num sumidouro
de vozes e fantasmas.
E o medo na garganta
com seus dedos hirtos
me ensinou que ter medo
é o mesmo que ter nascido.
Ora o lego a meus filhos,
que o ganharão na estima
e o sentirão com orgulho
de materna e genuína herança.
Dora Vilela


 Escrito por Dora às 09h55
[   ] [ envie esta mensagem ]




QUASE BIOGRAFIA

 

 
Nua, em pé dentro da banheira branca, eu borrifava água na boca aberta dos peixinhos. Queria dar de beber a cada um deles, desenhados em tons vivos, bem rechonchudos, na cortina de plástico que cercava a banheira.
Molhava toda a beirada, sem nada perceber, distraída em contar e recontar se não faltava nenhum peixinho para beber. Não me cansava nem me entediava nunca olhando os bichinhos com as boquinhas redondas, bem abertas, como a implorar pelas gotas d'água.
De repente, num sobressalto, ouvia mamãe a bater na porta, perguntando se eu morrera lá dentro. Sempre achava graça naquela espécie de pergunta retórica. Como eu poderia ter morrido? Ou será que poderia?
Olhando meus pés arroxeados pelo tempo em que eu estivera dentro d'água, imaginava como seria se eu tivesse morrido lá na banheira.
Mamãe não se dava conta do que falara. Era uma forma corriqueira aquela de perguntar se alguém morrera, uma entre tantas manias que se adquirem nas conversas comuns do cotidiano. Mas, as pessoas deveriam examinar o que falavam. Diria isto a mamãe e ela se mostraria surpresa com mais uma das minhas invencionices.
Eu saía do banheiro, enrolada na toalha e corria para o meu quarto, onde mergulhava na cama, antes de colocar roupa.
De barriga para cima, olhando o forro de madeira, encaixada em trilhos que me lembravam vários caminhos de trem, lá voltava eu a cismar.
Pensava nos trens que poderiam passar por cima de minha cabeça, indo e voltando pelo quarto inteiro.
Mamãe chegava a perder a paciência e se irritava com meus devaneios.
Às vezes, ouvia-a resmungar se eu não seria desmiolada ou tonta, com aquela inconseqüência de me esquecer das horas.
No entanto, ela mesma sabia que eu não era irresponsável nos deveres, em casa ou na escola. Ao contrário, superava todas as expectativas dela em qualquer atribuição, sobretudo  de caráter intelectual.
Porém, não conseguia nunca me livrar daquelas  manias de perder a noção do tempo, quando me punha a fantasiar.
Se eu ia comprar pequenas encomendas dela na padaria próxima, era comum eu perder o dinheiro na rua ou me esquecer do troco no balcão da loja.
Sempre fora motivo de risos por parte dos adultos da família que conheciam minha fama de distraída e dispersa.
Cresci assim e acho que piorei.
Desenvolvi a tendência de valorizar a introspecção e a forma de aperfeiçoar minuciosamente e personalizar cada coisa:  burilar manualmente, tornar a coisa tão íntima, entronizá-la na memória, na pele, no ser.
Toda atividade massificante, sem rosto, sem toque pessoal me passou a ser odiosa, frustrante e cansativa.
Com o crescente progresso industrial, marca da minha era, com a famigerada tecnologia, mantive sempre uma relação de fuga e pânico.
Somente a duras penas, fui aceitando a realidade que me foi chegando, a mim me parecendo um mundo árido, impesssoal, que quase me aniquilou e me transformou num ente solitário entre as gentes.
Não fui vencida pela máquina, porque sempre brota uma flor no asfalto.Mas jamais consegui uma convivência pacífica com tal realidade.
Minha luta foi sempre desigual, ridícula. Paguei alto o meu tributo de viver no tempo que me foi designado.
Enfim, vivi comigo mesma e com o mundo, em dicotomias profundas, que acabaram por me conformar o temperamento e o modo de ser.
Dora Vilela


 Escrito por Dora às 18h21
[   ] [ envie esta mensagem ]




SAUDAÇÕES

Não falo dos homens

amarrados ao meu contexto,

não me concernem os homens

sistemáticos, escravos

das ideologias.

Busco os homens

nas ermas plagas jurássicas.

Prefiro as mãos quase garras,

os primatas caçadores,

os dentes pontiagudos,

os dorsos recém-verticais,

se erguendo chão.

Quero os homens

descobrindo as verdades,

temendo o trovão,

tateando no escuro,

gerando, com vagar,

meus arquétipos.

Meu coração infantil

bate por eles.

Minha tristeza vã

vibra com eles.

Arremesso-lhes minha saudade

que é sem endereço.

Dora Vilela 



 Escrito por Dora às 14h27
[   ] [ envie esta mensagem ]




PRIVILÉGIO

Meu amigo, meu irmão,

que vê tão longe,

tão fundo e tão largo!

Sou teu igual, sou teu sangue,

tua matéria,

e o olhar tão outro!

Enxergo perto, enxergo aqui,

no mesquinho do sujeito.

Onde encontrar tua grandeza?

igualar teu horizonte?

saber tua direção?

Abranges a imensidão

com o diminuto que olhas,

eu só vejo o cisco

do meu próprio olho.

Teu coração é amplo

de movimento ondulatório.

Sabes do ontem e do amanhã

porque adivinhas

que o hoje não existe.

Meu amigo admirável,

só percebo o meu "agora"

e me agarro nesta ilusão.

És poeta, meu irmão,

e não te posso acompanhar

com minha vesga visão.

Mas, se tropeço,

és meu cajado,

e te devo

minha vida

e minha salvação.

Não te invejo,

não te imito,

só te sigo,

e te persigo,

e te bendigo.



 Escrito por Dora às 10h06
[   ] [ envie esta mensagem ]




ESCOLHAS

Não posso cantar as ruas,

não as vejo, nem demoro

nelas o meu sentido,

nem as céleres avenidas,

ou as mortes-auto-estradas

são meu percurso na vida.

Não enxergo as galerias,

bulevares e esplanadas,

deslizo por baixo das pontes,

sobrevôo os viadutos,

não passeio em passeios públicos,

e abomino os lugares comuns,

me fecho ante as vias todas

que me levam onde é prá ir.

Antes, as trilhas ceifadas,

cortadas nos canaviais,

os atalhos serpenteados,

as sendas dos vendavais,

na rota das ondas,

nas margens dos rios,

meus pés já me contam

o ansiado caminho.

Dora Vilela



 Escrito por Dora às 20h24
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]




 
Histórico
  02/01/2005 a 08/01/2005
  19/12/2004 a 24/12/2004
  12/12/2004 a 17/12/2004
  05/12/2004 a 10/12/2004
  28/11/2004 a 03/12/2004
  21/11/2004 a 26/11/2004
  14/11/2004 a 19/11/2004
  07/11/2004 a 12/11/2004
  31/10/2004 a 05/11/2004
  24/10/2004 a 29/10/2004
  17/10/2004 a 22/10/2004
  10/10/2004 a 15/10/2004
  03/10/2004 a 08/10/2004
  26/09/2004 a 01/10/2004
  19/09/2004 a 24/09/2004
  12/09/2004 a 17/09/2004
  05/09/2004 a 10/09/2004
  29/08/2004 a 03/09/2004
  22/08/2004 a 27/08/2004
  15/08/2004 a 20/08/2004
  08/08/2004 a 13/08/2004
  01/08/2004 a 06/08/2004
  25/07/2004 a 30/07/2004
  11/07/2004 a 16/07/2004
  27/06/2004 a 02/07/2004
  20/06/2004 a 25/06/2004
  13/06/2004 a 18/06/2004
  06/06/2004 a 11/06/2004


Outros sites
  Ariane
Votação
  Dê uma nota para meu blog



O que é isto?