Retalhos Amigos


Berço

Vale do Paraíba,

meu palco velho conhecido,

suas montanhas me viram nascer,

embalaram-me em seu ventre verdejante.

 

Cresci na proteção paterna,

e no abraço destas montanhas.

Nas águas do Rio Paraíba

aprendi outros rios do mundo.

 

Antecedem-me as histórias

do ciclo do café, das arcaicas fazendas,

dos coronéis poderosos

criadores de gado e de lendas.

 

Minhas heranças genéticas,

portadoras das glórias passadas,

carregam também as senzalas

e os lamentos do sangue mesclado.

 

Como este vale das minhas lembranças,

exibo sempre este jeito ondulado,

um rio correndo em mim

do relevo que me moldou.

Dora Vilela



 Escrito por Dora às 22h08
[   ] [ envie esta mensagem ]




DESCONHECIDO

Meu mistério, acalento-o.
Alimento-o e ele me presenteia
com seus sobejos, suas migalhas.
Na minha ordem, sinto falta dele,
então vivo com ele,
rasgada, dilacerada,
mas eu o amo, porque ele me identifica.
Meu mistério, meu enigma,
meu impulso vital...
Não o conheço, não dialogamos.
Vislumbro-o em relâmpagos raros
e tênues arrepios.
Convivemos e ele me nomeia,
ele me diferencia,
ele me reverencia.
Sofro e sangro,
mas agradeço as veredas
que ele me prenuncia.
Meu mistério, metade de mim,
que sou ele inteira.
Dora Vilela


 Escrito por Dora às 18h21
[   ] [ envie esta mensagem ]




MUSAS ALHEIAS

 Não faço versos como quem morre, 

antes neles me renasço,

e aproveito prá fingir

na afirmação da verdade.

 

Não contesto que o amor

seja infinito enquanto dure,

mas prefiro a eternidade      

fora do tempo e da dor.

 

Gasto horas pensando um verso

que a pena nem chega a escrever.      

No tormento destas horas

me perco no desencanto.

 

As aves que gorgeiam em minha terra

talvez me tragam descanso,

mas minha alma errante e erma 

mais se dispõe ao degredo.

 

Não discordo dos poetas,

- nem poesia aceita acordos -

antes lhes invejo as musas

prá mim tão surdas e mortas.

Dora Vilela

 Escrito por Dora às 14h14
[   ] [ envie esta mensagem ]




CONVALESCENTE

E vou vivendo,
além do caminho,
malgrado os tropeços,
além das feridas.
Escolho jeitosa
os paliativos, as muletas,
as compressas.
Vou simulando a recuperação,
aqui uma canção,
acolá, um poeta.
De cancioneiros e poesia,
de sonho e utopia,
forrei o solo, ergui o telhado,
preenchi as paredes.
Com cautela, deslizo meus chinelos.
Na surdina, afino meu piano,
prá não espantar os fantasmas,
prá não despertar a dor.
E, com mão trêmula ainda,
rego as flores do meu jardim.
Dora Vilela


 Escrito por Dora às 15h18
[   ] [ envie esta mensagem ]




SINA

Qual desejo, qual anseio buscas?

Identifica-o, para enumerá-lo.

Será apenas o começo de outros que virão,

aparentemente desiguais,

ilusoriamente eficazes,

falsamente brilhantes.

O desejo humano é sempre o mesmo,

e o teu vazio não se preencherá,

ainda que o alcances.

Mas, há que se ter desejos

e correr ao seu encalço,

prá se cumprir a vida

e nela permanecer,

sorrindo ou chorando,

e ainda ansiando

prá se ter sempre desejos

de se desejar.

Dora Vilela

 Escrito por Dora às 08h40
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]




 
Histórico
  02/01/2005 a 08/01/2005
  19/12/2004 a 24/12/2004
  12/12/2004 a 17/12/2004
  05/12/2004 a 10/12/2004
  28/11/2004 a 03/12/2004
  21/11/2004 a 26/11/2004
  14/11/2004 a 19/11/2004
  07/11/2004 a 12/11/2004
  31/10/2004 a 05/11/2004
  24/10/2004 a 29/10/2004
  17/10/2004 a 22/10/2004
  10/10/2004 a 15/10/2004
  03/10/2004 a 08/10/2004
  26/09/2004 a 01/10/2004
  19/09/2004 a 24/09/2004
  12/09/2004 a 17/09/2004
  05/09/2004 a 10/09/2004
  29/08/2004 a 03/09/2004
  22/08/2004 a 27/08/2004
  15/08/2004 a 20/08/2004
  08/08/2004 a 13/08/2004
  01/08/2004 a 06/08/2004
  25/07/2004 a 30/07/2004
  11/07/2004 a 16/07/2004
  27/06/2004 a 02/07/2004
  20/06/2004 a 25/06/2004
  13/06/2004 a 18/06/2004
  06/06/2004 a 11/06/2004


Outros sites
  Ariane
Votação
  Dê uma nota para meu blog



O que é isto?