Retalhos Amigos


Beatlemania

Ouvia os Beatles,
e me punha afoita
a comprar discos,
em decorar letras.
Distribuía as canções
para cada intenção de momento.
Nesta fenomenologia,
encaixei Beatles,
noite e dia.
Dormi com o quarteto,
nas paredes do meu quarto.
Chorei Lennon morto,
mais que podia imaginar.
Depois me acostumei,
e não mais me importei
com o trabalho do tempo
que me levou os demais.
Necessito ouvir os Beatles,
a completar minhas lacunas.
No momento que me falta
a canção órfã de pais,
recrio o conjunto inteiro,
chamo os mortos,
canto junto....
E eles voltam
se remoçam,
nas paredes do meu quarto,
nos meus dias,
meus momentos,
meus meninos
imortais.


 Escrito por Dora às 22h22
[   ] [ envie esta mensagem ]




Viagem

Já retornei

das mil vezes que parti,

e me tornei harmônica.

Vi menino se fazer gente,

e gente se perder.

Soltei as amarras,

velejei correntes,

descobri rumos, veredas,

voei arribações,

nada me escapando

dos redemoinhos

que o vento espalha.

Religuei as diferenças,

e interferi nas crenças.

Ouvi cantigas de além-mar,

sofri vivências de estranhamento.

Entrevi a raiz dos ódios,

e os encontros desiguais.

Sonhei reuniões impossíveis,

divaguei nas unidades.

Fiz cálculos de amor,

nas linhas dos caminhos,.

Acreditei nas utopias,

e as escolhi de souvenirs.

Dora Vilela



 Escrito por Dora às 20h16
[   ] [ envie esta mensagem ]




DIVERSIDADE

 
 
Escrever me esconde,
às vezes.
de música, eu falo,
de gente, eu gosto,
dançar me diverte,
e no poema, me perco...
comer salada verde,
soltar cabelo ao vento,
brincar de ser gente,
quanta risada me escapa
da timidez dos enamorados,
só choro de manso,
no escuro do quarto,
na paz, me agito,
no sonho, deliro,
e no medo, grito.
Na morte, quem sabe?
Revivo!
Dora Vilela


 Escrito por Dora às 13h37
[   ] [ envie esta mensagem ]




CRIAÇÃO

Tarde de sol preguiçoso,

pouca propícia aos vôos altos,

e é nela que organizo meus

planos, ainda que parcos e egoístas.

Ao redor, vida rasteira,

cozida de poucos fenômenos

e plena de sonhos anônimos.

Num odor de refeição,

num palmo de canteiro florido,

num canto de parede sem reboco,

os desejos embotados se colorem...

O pensamento fabricando o que é feito de vácuo,

delineando vagarosamente os contornos.

preenchendo os vazios com as cores fortes,

inventando os desnecessários e os impossíveis.

Dora Vilela



 Escrito por Dora às 10h28
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]




 
Histórico
  02/01/2005 a 08/01/2005
  19/12/2004 a 24/12/2004
  12/12/2004 a 17/12/2004
  05/12/2004 a 10/12/2004
  28/11/2004 a 03/12/2004
  21/11/2004 a 26/11/2004
  14/11/2004 a 19/11/2004
  07/11/2004 a 12/11/2004
  31/10/2004 a 05/11/2004
  24/10/2004 a 29/10/2004
  17/10/2004 a 22/10/2004
  10/10/2004 a 15/10/2004
  03/10/2004 a 08/10/2004
  26/09/2004 a 01/10/2004
  19/09/2004 a 24/09/2004
  12/09/2004 a 17/09/2004
  05/09/2004 a 10/09/2004
  29/08/2004 a 03/09/2004
  22/08/2004 a 27/08/2004
  15/08/2004 a 20/08/2004
  08/08/2004 a 13/08/2004
  01/08/2004 a 06/08/2004
  25/07/2004 a 30/07/2004
  11/07/2004 a 16/07/2004
  27/06/2004 a 02/07/2004
  20/06/2004 a 25/06/2004
  13/06/2004 a 18/06/2004
  06/06/2004 a 11/06/2004


Outros sites
  Ariane
Votação
  Dê uma nota para meu blog



O que é isto?