Retalhos Amigos


QUASE BIOGRAFIA

 

 
Nua, em pé dentro da banheira branca, eu borrifava água na boca aberta dos peixinhos. Queria dar de beber a cada um deles, desenhados em tons vivos, bem rechonchudos, na cortina de plástico que cercava a banheira.
Molhava toda a beirada, sem nada perceber, distraída em contar e recontar se não faltava nenhum peixinho para beber. Não me cansava nem me entediava nunca olhando os bichinhos com as boquinhas redondas, bem abertas, como a implorar pelas gotas d'água.
De repente, num sobressalto, ouvia mamãe a bater na porta, perguntando se eu morrera lá dentro. Sempre achava graça naquela espécie de pergunta retórica. Como eu poderia ter morrido? Ou será que poderia?
Olhando meus pés arroxeados pelo tempo em que eu estivera dentro d'água, imaginava como seria se eu tivesse morrido lá na banheira.
Mamãe não se dava conta do que falara. Era uma forma corriqueira aquela de perguntar se alguém morrera, uma entre tantas manias que se adquirem nas conversas comuns do cotidiano. Mas, as pessoas deveriam examinar o que falavam. Diria isto a mamãe e ela se mostraria surpresa com mais uma das minhas invencionices.
Eu saía do banheiro, enrolada na toalha e corria para o meu quarto, onde mergulhava na cama, antes de colocar roupa.
De barriga para cima, olhando o forro de madeira, encaixada em trilhos que me lembravam vários caminhos de trem, lá voltava eu a cismar.
Pensava nos trens que poderiam passar por cima de minha cabeça, indo e voltando pelo quarto inteiro.
Mamãe chegava a perder a paciência e se irritava com meus devaneios.
Às vezes, ouvia-a resmungar se eu não seria desmiolada ou tonta, com aquela inconseqüência de me esquecer das horas.
No entanto, ela mesma sabia que eu não era irresponsável nos deveres, em casa ou na escola. Ao contrário, superava todas as expectativas dela em qualquer atribuição, sobretudo  de caráter intelectual.
Porém, não conseguia nunca me livrar daquelas  manias de perder a noção do tempo, quando me punha a fantasiar.
Se eu ia comprar pequenas encomendas dela na padaria próxima, era comum eu perder o dinheiro na rua ou me esquecer do troco no balcão da loja.
Sempre fora motivo de risos por parte dos adultos da família que conheciam minha fama de distraída e dispersa.
Cresci assim e acho que piorei.
Desenvolvi a tendência de valorizar a introspecção e a forma de aperfeiçoar minuciosamente e personalizar cada coisa:  burilar manualmente, tornar a coisa tão íntima, entronizá-la na memória, na pele, no ser.
Toda atividade massificante, sem rosto, sem toque pessoal me passou a ser odiosa, frustrante e cansativa.
Com o crescente progresso industrial, marca da minha era, com a famigerada tecnologia, mantive sempre uma relação de fuga e pânico.
Somente a duras penas, fui aceitando a realidade que me foi chegando, a mim me parecendo um mundo árido, impesssoal, que quase me aniquilou e me transformou num ente solitário entre as gentes.
Não fui vencida pela máquina, porque sempre brota uma flor no asfalto.Mas jamais consegui uma convivência pacífica com tal realidade.
Minha luta foi sempre desigual, ridícula. Paguei alto o meu tributo de viver no tempo que me foi designado.
Enfim, vivi comigo mesma e com o mundo, em dicotomias profundas, que acabaram por me conformar o temperamento e o modo de ser.
Dora Vilela


 Escrito por Dora às 18h21
[   ] [ envie esta mensagem ]




SAUDAÇÕES

Não falo dos homens

amarrados ao meu contexto,

não me concernem os homens

sistemáticos, escravos

das ideologias.

Busco os homens

nas ermas plagas jurássicas.

Prefiro as mãos quase garras,

os primatas caçadores,

os dentes pontiagudos,

os dorsos recém-verticais,

se erguendo chão.

Quero os homens

descobrindo as verdades,

temendo o trovão,

tateando no escuro,

gerando, com vagar,

meus arquétipos.

Meu coração infantil

bate por eles.

Minha tristeza vã

vibra com eles.

Arremesso-lhes minha saudade

que é sem endereço.

Dora Vilela 



 Escrito por Dora às 14h27
[   ] [ envie esta mensagem ]




PRIVILÉGIO

Meu amigo, meu irmão,

que vê tão longe,

tão fundo e tão largo!

Sou teu igual, sou teu sangue,

tua matéria,

e o olhar tão outro!

Enxergo perto, enxergo aqui,

no mesquinho do sujeito.

Onde encontrar tua grandeza?

igualar teu horizonte?

saber tua direção?

Abranges a imensidão

com o diminuto que olhas,

eu só vejo o cisco

do meu próprio olho.

Teu coração é amplo

de movimento ondulatório.

Sabes do ontem e do amanhã

porque adivinhas

que o hoje não existe.

Meu amigo admirável,

só percebo o meu "agora"

e me agarro nesta ilusão.

És poeta, meu irmão,

e não te posso acompanhar

com minha vesga visão.

Mas, se tropeço,

és meu cajado,

e te devo

minha vida

e minha salvação.

Não te invejo,

não te imito,

só te sigo,

e te persigo,

e te bendigo.



 Escrito por Dora às 10h06
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]




 
Histórico
  02/01/2005 a 08/01/2005
  19/12/2004 a 24/12/2004
  12/12/2004 a 17/12/2004
  05/12/2004 a 10/12/2004
  28/11/2004 a 03/12/2004
  21/11/2004 a 26/11/2004
  14/11/2004 a 19/11/2004
  07/11/2004 a 12/11/2004
  31/10/2004 a 05/11/2004
  24/10/2004 a 29/10/2004
  17/10/2004 a 22/10/2004
  10/10/2004 a 15/10/2004
  03/10/2004 a 08/10/2004
  26/09/2004 a 01/10/2004
  19/09/2004 a 24/09/2004
  12/09/2004 a 17/09/2004
  05/09/2004 a 10/09/2004
  29/08/2004 a 03/09/2004
  22/08/2004 a 27/08/2004
  15/08/2004 a 20/08/2004
  08/08/2004 a 13/08/2004
  01/08/2004 a 06/08/2004
  25/07/2004 a 30/07/2004
  11/07/2004 a 16/07/2004
  27/06/2004 a 02/07/2004
  20/06/2004 a 25/06/2004
  13/06/2004 a 18/06/2004
  06/06/2004 a 11/06/2004


Outros sites
  Ariane
Votação
  Dê uma nota para meu blog



O que é isto?